Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Daily Miacis

Como e Porquê - Poupanças

wedding.png

29 anos recém adquiridos, 364 dias para entrar na casa dos -inta, e uma conta bancária com poucos e baixos dígitos. Poderia afirmar-se que é tudo uma questão de números mas é mesmo uma questão de ganhar pouco, ter bom gosto e não saber poupar. Ora bem, o primeiro não consigo resolve-lo tão facilmente pelo menos para já, enquanto não for famosa, o segundo nasceu comigo, onde a Sofia põe o olho seguramente é coisa cara,  por isso só podemos resolver o terceiro ponto. Eu não percebo nada de poupanças. Admito, não tenho vergonha. 

 Aliás eu nem devia estar aqui a dizer como poupar quando eu sou uma nódoa neste assunto. Acho que neste post estou a tentar motivar me a mim mesma ao falar com outros para ver se ganho vergonha e ponho-me a jeito.

 

Preciso de poupar, mas sinto-me assim como um Popas depenado : amarela no assunto e sem nada. Não ganho muito no meu trabalho e com algumas responsabilidades acrescidas, tenho que ter em conta os gastos. Não é por consequência do que foi referido, mas porque quero criar outras consequências: quero fazer uma tatuagem de uma fenix, quero viajar e viajar, quero um fato de mordoma (quero, quero, quero). Percebem porque não sei poupar?

images.jpg

1º - Rever os gastos mensais: o meu namorado por exemplo está me sempre a dizer para sair do ginásio. Não saio. Sei que é daquelas primeiras regras de ouro para pouparmos, que podemos fazer exercicio em casa. Sim podemos, e eu faço em casa nos dias que não vou ao ginásio. Mas ir ao ginásio tem várias vantagens: estamos com pessoas, estamos com profissionais que nos dizem como fazer melhor as posturas, o que estamos a fazer mal. Só isso para mim é ouro. Eu por exemplo vou ao yoga que tem toda a vantagem fazer nos primeiros tempos com um professor por causa dos tempos, das posturas. Mas não vou todos os dias por exemplo, e procurei uma melhor solução. Eu andava no Solinca em que pagava 19.90 € de duas em duas semanas, sempre. Fazendo as contas pagava mais 50€ por ano do que se me saisse os quase 40 € por mês fixamente. É tudo muito lindo quando entramos mas poucos se lembram que existem meses com 5 semanas logo só nesse mês pagava três vezes. Saí por isso, por questões técnicas contra o Solinca e porque fazia 15 km para lá e 15 km para casa. Gastava bastante em combustível. Ao mudar para um ginásio, vá não vou mentir um pouco rasca, perto de casa, consigo poupar na viagem e na mensalidade. Penso que devemos sempre ajustar a nossa realidade, por isso nos gastos mensais a minha opinião é reduzi-los ao essencial necessário e ajusta-los à nossa realidade

 

2º Rever as necessidades: aqui aplica-se a regra dos 30 dias. Eu sou uma pessoa, admito, um pouco impulsiva quando se trata de ter objetos e passo já a explicar porquê: quantas vezes quis uma coisa que é tão eu, ou que há tanto tempo queria e procurava, vejo não compro na hora e depois desaparecem. Por isso comecei a optar pela regra contrária que é comprar logo na hora. Agora tento (quando me controlo como deve ser) aplicar um meio termo: vejo a peça. Primeiro, antes de tudo, penso no orçamento mensal e no que ja gastei. Depois penso é uma peça vital porque preciso urgentemente usá-la (estava mesmo a precisar daquela saia? aqueles phones são mesmo necessários? estas bolachas estão mesmo em falta lá no armário?) ou se pode esperar até ao próximo mês? Após a conclusão penso ok, vou comprar. A regra dos 30 dias faz com que vemos se realmente ao longo dos 30 dias aquela peça nos fez falta no dia a dia. Contudo, e pode ser aqui que eu erre, penso que também não podemos ser tão extremistas porque tem coisas que realmente por muito que a gente "só brinque com o objeto" um dia fez-nos felizes. Mas só nos podemos deixar ser felizes quando temos mão de manobra.

 

3º Controlar visitas a lojas onlines: para mim este é essencial! E o mais difíicil porque agora com as sugestões no facebook e instagram, em que os objetos aparecem conformes as nossas pesquisas e gosto, é muito dificil controlar e resistir a este fruto proibido. Como é muito mais fácil de comprar, perdemos muito mais facilmente a cabeça. Eu dou por mim, inconscientemente, a teclar sites só para verem o que têm. É claro que devemos andar atentos às promoções, porque também são uma boa forma de poupar. Mas as promoções são uma boa forma de marketing e muitas vezes não dão nada a ninguém. Por isso é bom andar à procura de peças online quando tiveram falta, e a melhor técnica é pensarem assim: daqui a uns tempos vou ter que comprar isto, então vou começar a procurar. Assim têm tempo, e conseguem sempre procurar o melhor preço.

 

4º Rever a rotina diária: neste aspecto eu penso que estou bem controlada. Almoço em casa, o meu trabalho é a 2 minutos de carro, é trabalho casa, casa trabalho (agora também entendem porque vou ao ginásio, é para ver gente diferente). Podia poupar mais, ir a pé e fazia a minha metia diária dos 8000 passos, mas não vou por vaidade: não quero chegar ao trabalho suada no Verão que eu fico logo com a cara  e o cabelo suada, e no Inverno não quero chegar encharcada com chuva. Eu queria mudar isto, talvez vá perder o medo e ir de scooter ( eu tenho pânico a motas), mas assim ainda ia poupar mais e ainda contribuir para um ambiente melhor. Mas sei que quem almoça fora de casa, por exemplo é um gasto tremendo. Eu aconselho a marmita. Já trabalhei onde tinha de levar a marmita, e poupa-se muito, e come-se muito, muito mais saudável. Aquelas comidas de restaurantes ao final de algum tempo, começam a fazer-me mal ao estômago e começo a criar maus hábitos alimentares. 

5º Contas organizadas: coisa de contabilidade. Se criarem um excel simples, com entradas, saidas e total, vou ver como gastam muito. Eu comecei no mês passado, e sempre que acrescento uma saida penso, fogo mais uma. Eu coloco os cêntimos todos gastos!!! E penso sim isto era desnecessário. O mês passado e este foram anormais. São sempre porque é muito aniversário de pessoas próximas, e tenho muitos gastos porque Sofia não dá presente só por dar, depois foi a questão da casa. O próximo já é mais calmo e por isso vou me controlar melhor. Dizem vocês "ah mas para isso tenho o meu extrato bancário". Acreditem, não é a mesma coisa, até porque nalguns movimentos não temos referências. Quando começam a colocar a descrição da saída já pensam duas vezes. O excel permite-vos planear o orçamento mensal, podem calcular logo com os gastos fixos quanto sobra para os gastos até ao final do mês.

6º Os ganhos extras não existem: vou aplicar esta regra nos próximos tempos. Foi um truque do pai de um colega de trabalho que o ensinou, e ele me ensinou a mim, e de facto para mim é um dos melhores métodos para termos um pé de meia. Subsidio de Natal e de Férias não existe, entra e é guardado. Acreditem que se tiverem de restruturar o orçamento para poupar para férias e para prendas de Natal, conseguem. Tudo se consegue. Eu estou há quase dois anos assim, e consigo. Portantos vocês conseguem!

E depois disto tudo, penso que para o ano vou marcar a minha viagem para o Japão.

E vocês, que devem ter melhor experiência nisto que eu, que sugestões dão?

 

PS: as votações para os livros no clube de leitura começaram!

Sinceramente,

20099812_ua1Qu.png

 

 

Bitaite da Sexta #21

681c97faa7e6b2f35abe3d6aef3b39c8.jpg

Esta semana passei muito pelo tópico de cobrar visitas entre amigos, e outro tipo de cobranças na amizade. Tem sido uma coisa recorrente que tenho visto amigas minhas a sofrerem disso ou mesmo conhecidos na internet a queixarem-se do mesmo.

 

Eu acho que se é amizade primeiro não temos que cobrar porque se funciona não há que cobrar, porque se é uma amizade e é honesta e fiel e verdadeira, não temos que cobrar. Se por outro lado sentimos que estão em falta connosco e que pensam que não estão em falta, é porque a amizade já não é tão verdadeira quanto isso. Segundo, todos nós temos diferentes tipos de relacionamento, logo o que funciona para mim pode não funcionar para ti, e por isso numa relação de que prole seja, temos que saber adaptarmo-nos ao outro, havendo cedências de ambas as partes.

 

Já sofri muito pela cobrança do "tu nunca sais, tu nunca vens" bla bla bla. Eu não vivo no centro da cidade, demorava 20 minutos de carro a chegar ao sitio e a minha mãe trabalhava não estando sempre disponivel para me levar e buscar. Quem é que estava em falta quando avisavam às 18h30 ou 20h30, que é para jantar e sair? 
Ou então cobrarem porque estou sempre ocupada, e nunca vou? E quando eu precisava, no aniversário, nas alturas que estava em baixo? Quantas vezes criamos projetos e eu toda empolgada, e deixam-me pelo caminho porque era brincadeira ou outra coisa melhor apareceu? Quantas vezes no aniversário não vieram porque não havia dinheiro porque já foram muitos aniversários antes do meu, porque era a entrada do caloiro, porque isto e aquilo? Já passei por uma fase em que eu estando em baixo ajudei quem estava em baixo também, e que tinhamos que juntar porque sim, porque alguém estava em baixo. Mas depois que tudo passou a normal, os outros que estão em baixo, já não conta.

Já cobrei sim algumas coisas mas, acreditem quando eu chego ao ponto de cobrar frente a frente, é porque já levei muita e muita e muita patada. Isso ou então porque não gosto de brinquem comigo. Fazerem de mim parva é o clique para verem o meu lado negro.

 Amizade é uma coisa muito dificil de gerir, ambas as partes tem culpa. Eu sei que a minha culpa é aceitar tudo no inicio, desculpar tudo e ainda calar. Falem, partilhem, hoje saimos por mim, amanha saimos por ti. 

E sejam felizes! 

 

Sinceramente,

20099812_ua1Qu.png

 

 


BLOGGER
Sou a Sofia Gonçalves, curiosa sem fim, 28 anos com muitas coisas que quero fazer. Ou estou no ginásio, ou na praia, ou em casa a ler um bom livro, ou a tratar das minhas plantas e animais. O “The Daily Miacis” é um reflexo meu.

thedailymiacis@gmail.com

@thedailymiacis

BLOG ON FACEBOOK

CLUBE LEITURA COMPANHIA DA TINTA

Parceria


Some blog design Written by Joana

Mensagens

Copyright © The Daily Miacis