Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Daily Miacis

Metas Agosto

et this be an opportunity to reflect and prayfor a

 

Este ano em termos de evolução pessoal estagnei, mas tem sido bastante revelador face a muitas coisas, principalmente quando se trata de mim. Tenho realizado que tenho umas coisas más e outra muito boas, e então tenho me focado em manter as boas e melhorar as más. A ansiedade e outras problemáticas associadas têm me obrigado a gerir melhor a minha vida, a focar me no que preciso, apesar de todo o mal que acarreta em termos físicos e psicológicos. 

Se há coisa que aprendi é que devo focar-me, devo exigir sempre mais um pouco de mim mas que não há mal nenhum em falhar, devo permitir me a tal porque há coisas que não estão no meu poder e porque no fundo são humana. Aprendi a ser mais calma. Como dizia o meu orientador "Vamos ser perfeitos, e não perfecionistas". Por isso volto às minhas metas mensais, por várias razões. O bullet journal tem me ajudado a manter essas metas, embora não tenha cumprido muitas, pelo menos naquele mês. E quando fazia estas metas, no mestrado que também andava bem ansiosa, ajudaram me bastante a focar no que preciso de fazer em vez de stressar com tudo o que quero e tenho de fazer e no final não sair nada de jeito.

Para Agosto espero:

  • Rever o livro do voluntariado
  • Fazer em casa 2x yoga, para além do que faço no ginásio
  • Cozinhar pelo menos uma vez por semana sobremesas saudáveis, e uma refeição vegetariana
  • Aproveitar as férias: apanhar muitas, muitas conchas
  • Destralhar mais um pouco a parte de cima de casa
  • Acabar a peça de ponto cruz 

Para além disto espero conseguir arrecadar mais pessoas para o clube "Companhia da Tinta".

 

Sinceramente,

Assinatura.png

 

13 comentários

  • Imagem de perfil

    The Daily Miacis 03.08.2017

    Bom dia!

    Ajuda bastante, e nestas tres semanas, desde que coloquei o Holter não tenho feito porque foi o exame e depois festas de aniversário e mais não sei o quê e não tenho feito. Falta de disciplina.
    Mas ajuda me bastante, mesmo a relaxar a barriga quando estou com aquele nervoso miúdo.
    O destralhar é optimo! Para além parecer que renovas, encontras coisas que te dão lembranças, outras que pensas porque guardei isto e faço imenso exercicio porque são dois andares que tenho de subir e descer a carregar malas cheias de tralha para o lixo ou para o contentor de ajuda social.
  • Imagem de perfil

    Heidiland 03.08.2017

    Quando mudámos de apartamento destralhei bastante e também coloquei muitas coisas nos contentores de ajuda social. Na minha família têm um grave problema em se desfazerem das coisas, principalmente a minha avó. Para ela tem tudo um valor sentimental. Na última visita consegui convencer a minha mãe a limpar...vamos ver se algum dia vou conseguir convencer a minha avó.
    Dois andares!?! Isso é que é trabalho de pernas
  • Imagem de perfil

    The Daily Miacis 03.08.2017

    Trocar de casa é sempre uma boa forma para destralhar, é quase inevitável.

    A tua avó é uma romântica. Vê sempre algo ligado a objetos. A minha mãe é assim, a minha avó é mais pela simples ideia: um dia pode fazer falta. Mas agora como vamos ter obras lá em casa que remédio tem de se livrar das coisas porque não têm outro sitio para ficarem.
  • Imagem de perfil

    Heidiland 03.08.2017

    É um misto de romantismo e religião: como foram peças que o meu avô comprou, não se quer livrar delas, mas também não pega nelas nem as limpa. Dou-te um exemplo simples: havia lá em casa umas cassetes antigas e até há bem pouco tempo nunca as quis deitar fora - recordação do meu avô - só muito recentemente e após a minha mãe lhe explicar que ela não as ouvia, limpava e que já não possuía um leitor de cassetes é que a minha avó cedeu deitá-las fora.
    Temos ainda peças em porcelana (coladas) que ninguém a consegue convencer a deitar fora.
    Eu não acho minimamente saudável uma pessoa estar tão agarrada a objectos. Parece que não quer seguir a sua vida para a frente.
  • Imagem de perfil

    The Daily Miacis 03.08.2017

    É verdade que ficar apegada a tantas peças não é saudável. Là em casa a minha mãe passou por essa fase para ai uns 10 anos. Não se podia deitar nada do meu avô fora. Agora já passou e já posso deitar fora. O meu tio por exemplo é as arvores....

    Tenho uma cerejeira enorme que não como nem uma cereja dela e o meu tio não quer deitar abaixo porque foi plantada pelo meu avô. As macieiras foram este ano porque estavam a ficar já podres senão ainda estavam lá. Mas eu este ano espero tratar da cerejeira.

    As cassetes olha, não vou julgar porque eu tenho os meus VHS da disney TODOS! E espero conseguir um leitor de cassete porque ainda são aquelas versões dobradas em brasileiro, e com as intros antigas :)
  • Imagem de perfil

    Heidiland 03.08.2017

    A minha avó não gostava daquele estilo musical Pelo mesmo motivo que o teu tenho as minhas VHS, mas eu ainda possuo-o um video. Infelizmente, o meu avô faleceu muito novo (há 23 anos) e nós sempre pensámos que com o passar dos anos a minha avó fosse capaz de modernizar o apartamento e deitar os cacarecos fora, mas continua tudo igual. A pobre da minha mãe continua a viver dentro de um museu.
  • Imagem de perfil

    The Daily Miacis 03.08.2017

    Coitada da tua mãe! Se ela for aos poucos tipo uma vez por mes tirando qualquer coisa será que a tua avó dava por ela?

  • Imagem de perfil

    Heidiland 03.08.2017

    Dá! Quando era mais nova fiz uma limpeza geral na despensa. Tens noção que a minha avó ficou ofendida, porque deitámos fora umas galochas velhas que ela usava na época que tinha uma horta. Se ela ficou chateada com umas galochas que não usava, imagina com algo que para ela tem valor sentimental!?
  • Imagem de perfil

    The Daily Miacis 03.08.2017

    Eu imagino

    Bem, é sorrir e acenar. Há coisas que já nem vale a pena "martelar". Com a minha avó é a mesma coisa geralmente quando é coisa de saúde ela é que sabe os médicos tiraram o curso só para passar tempo.
  • Imagem de perfil

    Heidiland 03.08.2017

    A minha avó em relação aos médicos aceita tudo e não contesta nada, o que por vezes, é um pouco aborrecido. A médica diz-lhe por exemplo "beba mais água" e a minha avó não a informa que já bebe mais de 3 L./dia.

    Voltando ao tema inicial do teu texto se gostares de hambúrguer de feijão posso ceder-te um link com uma receita divinal. A autora do blogue partilha receitas maravilhosas vegetarianas desde pequeno-almoço, prato principal a sobremesas.
  • Imagem de perfil

    The Daily Miacis 03.08.2017

    Ui! Manda, manda! Eu já fiz de grão de bico e gostei! Mas de feijão nunca tentei :)
  • Imagem de perfil

    Heidiland 03.08.2017

    Já fiz de couve-flor, mas a primeira experiência bem sucedida foi de feijão preto (http://www.lemonaid.pt/receitas/hamburgueres-de-feijao-preto-e-beterraba-no-paoso-que-nao).
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


    BLOGGER
    Sou a Sofia Gonçalves. 29 anos. Curiosa sem fim, exploradora de livros, advogada de boa comida, gestora de estados ansioliticos, caçadora de sonhos, escriba escrava da palavras da minha cabeça, pajem dos meus animais.

    thedailymiacis@gmail.com

    Mais sobre mim

    foto do autor


    Some blog design Written by Joana

    Em destaque no SAPO Blogs
    pub
    Copyright © The Daily Miacis